Perigos do amianto para a sua saúde

Saiba como se deve proteger

O que é o Amianto?

O amianto também conhecido como asbestos é a designação comercial utilizada para a variedade fibrosa de seis minerais metamórficos de ocorrência natural.  Pelo seu baixo custo, elasticidade e elevada resistência química, térmica, elétrica e à tração, o amianto foi durante vários anos utilizado na indústria da construção. Na Europa foi particularmente utilizado entre 1945 e 1990.

 

O amianto está presente em diversos tipos de materiais tais como: telhas de fibrocimento, revestimentos para impermeabilização de coberturas de edifícios, gessos e estuques, revestimentos à prova de fogo, revestimentos de tetos falsos, isolamentos térmicos e acústicos, entre outros.

 

Contudo, apesar das suas características favoráveis à indústria da construção, este material foi interdito há mais de uma década pelos perigos que apresenta para a saúde.

 

As consequências na saúde

A presença do amianto tem sido associada a casos de cancro. As diferentes variedades de amianto são agentes cancerígenos, por isso é muito importante que a exposição a qualquer tipo de fibra de amianto seja reduzida ao mínimo. A via respiratória é a forma mais frequente de contacto da fibra com o organismo. Os profissionais da construção são quem corre maior risco de inalar as fibras respiráveis e desenvolver doenças.

 

Estas fibras microscópicas podem depositar-se nos pulmões e aí permanecer por muitos anos, podendo vir a provocar doenças anos mais tarde.  Muitas vezes, os sintomas confundem-se com outros problemas associados ao envelhecimento, sobretudo nos casos das patologias ligadas à diminuição da capacidade respiratória e às doenças oncológicas

 

A exposição ao amianto pode causar doenças como: asbestose, mesotelioma, cancro do pulmão e cancro gastrointestinal. 

 

 

A sua proibição

Em Portugal, foi proibida a utilização/comercialização de amianto e/ou produtos que o contenham a partir de 1 de janeiro de 2005, de acordo com o disposto na Diretiva 2003/18/CE transposta para o direito interno através do Decreto-Lei nº 101/2005, de 23 de junho.

 

O que deve fazer se tiver amianto no seu prédio

 

Os edifícios construídos ou intervencionados antes de Janeiro de 2005 têm uma probabilidade acrescida de o conter amianto. Os moradores ou trabalhadores destes prédios devem:

– Ter cuidado com a manutenção e com as atividades de bricolage;

– Ter atenção às operações regulares de manutenção;

– Proceder a avaliações cuidadosas antes de qualquer intervenção (em trabalhos relacionados com a reparação ou alteração de instalações elétricas, por exemplo);

– Se o amianto não estiver em bom estado, assegurar que procuram serviços de profissionais qualificados.

 

É importante ter em conta que nem todos os edifícios com amianto constituem perigo para a saúde, dependendo do seu estado de conservação e do material aplicado.

 

No caso do contacto indireto, o risco principal não está tanto relacionado com o facto de as pessoas residirem ou trabalharem nestas instalações, salvo se estiverem degradadas, mas decorre de acidentes ou intervenções intempestivas executadas por pessoal não preparado e que não adote as medidas de proteção adequadas. Nestas situações, ocorre um aumento do risco para trabalhadores e residentes.

 

Regra geral, a presença de amianto em materiais de construção representa um baixo risco para a saúde, desde que o material esteja em bom estado de conservação, não seja friável e não esteja sujeito a agressões diretas. Qualquer atividade que implique a quebra da integridade do material (corte, perfuração, quebra, entre outras.) aumenta substancialmente o risco de libertação de fibras para o ar.

 

Se suspeitar da existência de material com amianto e com risco de libertação de fibras para o ar, deve procurar técnicos especializados. É necessário que sejam levadas a cabo medições com o equipamento adequado e que a presença de amianto seja confirmada em laboratório. Caso seja confirmada a presença de amianto, os técnicos especializados implementarão a melhor solução para o seu caso concreto. A melhor solução poderá não ser a remoção, mas sim o encapsulamento.

 

 

VER TAMBÉM: Sabia que, na maioria dos casos, a reabilitação de coberturas com amianto é mais segura que a remoção?

 

 

A solução de encapsulamento da Prudêncio

A Prudêncio foi pioneira no desenvolvimento e aplicação de um método de encapsulamento de coberturas de fibrocimento que contêm amianto, evitando a libertação de fibras que constituem risco para a saúde pública.

 

O encapsulamento consiste no confinamento do amianto com revestimentos específicos. O sistema da Prudêncio não é uma simples operação de cosmética, mas sim uma verdadeira reabilitação através do confinamento das mesmas. O fibrocimento fica completamente envolvido e protegido das causas que levam à sua degradação: agressões físicas, amplitudes térmicas, chuva e humidade.

 

 

Transformamos uma cobertura potencialmente perigosa num sistema sustentável.

Consulte-nos, tire as suas dúvidas. Efetuamos orçamentos gratuitos, sem compromisso. Entre em contacto connosco!

 

 

Documentos Legais e Normativos

 

Documentos para consulta

 

Sítios relevantes para consulta

ENTRE EM CONTACTO CONNOSCO É um cliente, um fornecedor ou um profissional talentoso? Fale connosco!
NOME
EMAIL
CIDADE
ASSUNTO
MENSAGEM

Top